PILOTAGEM 3

Uma moto mais segura começa na sua cabeça…

– Uma prova de inteligência: CAPACETE aprovado pelo INMETRO.
– JAQUETA de couro ou em tecido resistente, com punhos justos.
– LUVAS apropriadas.
– FARÓIS ACESOS, mesmo durante o dia.
– Manter a motocicleta sempre em boas condições é fundamental.
– Verifique SEMPRE: freios, faróis, luzes de pisca, luz de freio, óleo, combustível, folga de corrente e retrovisores – mantenha as peças originais.

vai até os pés …
– Calças em tecido RESISTENTE.
– Nos pés, use BOTAS.
– PNEUS – observe a profundidade dos sulcos, calibragem.

e continua na garupa….
– Na garupa também se usa o CAPACETE.
– Transporte PASSAGEIRO SÓ NA GARUPA, que é o único lugar para ele na moto.
– NUNCA TRANSPORTE CRIANÇA com menos de sete anos de idade, ou que não tenha condições de cuidar da própria segurança.

Fonte: Conselho Estadual de Trânsito de SP

Condutores de moto podem, ocupar o mesmo espaço de um carro.
Os motociclistas, por possuírem veículos menores e mais ágeis, precisam redobrar os cuidados ao enfrentar o trânsito das grandes cidades.
De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, a moto tem o direito de ocupar o mesmo espaço de um carro nas ruas, avenidas e estradas do país. Por isso, as motos podem, e devem, evitar trafegar pelos chamados “corredores” — espaços que se formam entre um veículo e outro.

Além disso, para garantir sua segurança, os condutores de moto devem sinalizar sempre para que os outros motoristas notem sua presença. Uma boa dica é trafegar com o farol aceso mesmo durante o dia.
Ao dirigir entre carros parados, o motorista deve diminuir a velocidade e ficar atento à pedestres que possam atravessar a rua distraidamente e também à motoristas que possam abrir a porta do carro sem olhar pelo retrovisor externo.
Também é aconselhável manter uma distância segura em relação ao veículo da frente — cerca de 30 metros — , evitar ultrapassar pela direita e trafegar pela calçada ou por locais utilizados por pedestres.
Os motociclistas também precisam tomar cuidado com as armadilhas da cidade: manchas de óleo, areia e pedras na pista, consertos nas ruas encobertos por placas metálicas e trilhos e bueiros sem tampa.

Fonte: Jornal Diário de São Paulo

Para quem anda de moto, algumas dicas nunca são demais.
Para evitar acidentes, toda a atenção é pouca. Velhos conselhos eram tão certos que acabaram transformando-se em artigos do Código de Trânsito Brasileiro.
Um deles, o de dirigir com farol aceso mesmo durante o dia, não é simplesmente para o motociclista ver melhor, mas também, para se tornar mais visível, não só aos olhos dos pedestres como para os dos outros motoristas.
O uso do capacete, tanto para piloto como para o garupa, também virou lei. Lugar de capacete é na cabeça e não no retrovisor ou pendurado no cotovelo. Em caso de queda, se o capacete estiver no cotovelo, pode provocar fraturas múltipas no braço, além de não proteger a cabeça que é o local certo para usá-lo.
Apesar de a moda ser o uso de capacetes pretos, o ideal são cores claras, o mais chamativas possível. E sempre utilizá-lo com a presilha do pescoço fechada. Sempre que estiver andando atrás de um carro, o piloto deve prestar atenção também no outro carro da frente, para antecipar uma freada.
A posição de dirigir além de mais conforto, pode representar segurança. Braços e pernas devem ficar flexionados para funcionarem como um amortecedor absorvendo os impactos e possibilitando maior domínio da moto. Sentar com os braços esticados dificultam os movimentos do piloto, além de prejudicar a coluna.
Nos corredores entre os carros, o piloto deve reduzir a velocidade para que tenha condições de se livrar de um imprevisto, como um buraco, uma porta que se abre ou mesmo um motorista distraído que muda de faixa sem sinalizar.
Na hora de frenagem, o ideal é que se utilize sempre mais o freio dianteiro do que o traseiro.
Por último, concentração total. O piloto deve conhecer sua moto e seus limites para não perder atenção. Qualquer deslize pode significar acidente.

Fonte: Jornal Diário de São Paulo

Apesar de grande parte dos motociclistas ter se conscientizado da importância do capacete para a segurança no trânsito, ainda é possível encontrar, com certa facilidade, condutores com o capacete no cotovelo ou simplesmente sem ele.

Tão importante quanto usar o capacete, é usar o modelo correto. Hoje existem diversos tipos, para todo estilo de moto e motociclista. Mas um dos mais conhecidos não é permitido pelo Código de Trânsito Brasileiro: o famoso “coquinho”. Esse capacete não oferece segurança, pois não conta com proteção para o rosto, dos lados e atrás da cabeça, o que, em caso de acidente, pode ser fatal.

Os capacetes que não possuem viseira são permitidos, desde que o condutor esteja usando óculos de proteção com visor lateral — óculos de sol não possuem essa função.

Ao comprar um capacete, não esqueça de verificar se o mesmo possui certificado do Inmetro, pois somente eles são aprovados para o trânsito.

Multa- Segundo a CET, em 2003 foram aplicadas 18.435 multas por falta do uso do capacete em São Paulo. E a lei também obriga o garupa a usar o equipamento. A multa para quem desrespeita o código é de R$ 191,54, além de sete pontos na carteira.

28/01/2004 – Diário de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>